fbpx

Notícias

Conferência de Ciência, Tecnologia e Inovação discute potencial colaborativo dos Estados do Sul para o fortalecimento científico

Encontro antecede a etapa Nacional e tem como objetivo a redução das diferenças regionais

Por Camila Calaudiano
Edição: Flávia Cé Steil e Priscila Murr

Desde a Revolução Industrial, o mundo é marcado por grandes invenções e avanços tecnológicos. Em aspectos positivos e negativos, essas inovações transformam nossa visão de mundo e também a forma como interagimos com o planeta.

A mesma ciência que possibilitou a invenção da vacina, levou o homem à lua e criou a internet, também é responsável pela fabricação incessante de plástico, produção de drogas sintéticas e criação de armas nucleares. Essa dualidade, muitas vezes, é o que move a pesquisa. Isso porque, a produção científica é orientada pelo objetivo de resolver problemas, questionamentos e dilemas da humanidade.

Pensando nisso, o desenvolvimento social e humano deve estar entre os propósitos de quem produz e financia a ciência no país. Logo, é essencial identificar os interesses de quem subsidia a produção de ciência brasileira e a que necessidades eles atendem.

Então, afinal, o desenvolvimento social acompanha ou é beneficiário dos avanços tecnológicos?

Questões como essa orientam as discussões da fase Regional Sul da 5ª Conferência Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação, que aconteceu nos dias 25 e 26 de abril, na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), em Curitiba.

 

Antecedendo o encontro Nacional, que será em Brasília (DF), entre os dias 4 e 6 de junho, essa etapa reuniu os três estados da região sul do país: Paraná (PR), Santa Catarina (SC) e Rio Grande do Sul (RS), para propor recomendações que contemplem as carências da população.

 

O encontro foi divido em Grupos de Trabalho (GTs), cada um com uma temática específica. Para discutir questões relacionadas ao desenvolvimento humano, o GT4 foi o eixo responsável por pensar “Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Social”. Entre as pautas levantadas por esse grupo esteve a falta de participação do setor privado, que não tinha nenhum representante na sala no momento da discussão.

 

José Murino de Oliveira, integrante do GT4 em entrevista ao Bate-Pop AE | Por: Evelyn Neumann

Em entrevista ao vodcast Bate-Pop AE Especial Conferência Regional Sul de Ciência, Tecnologia e Inovação, um dos relatores do GT4, José Maurino de Oliveira, comentou a importância de a ciência estar a serviço da população.

 

“A ciência em si, não é isenta. Ela sempre esteve e sempre está a serviço de algum projeto. É preciso entender que a ciência, o avanço e inovação só fazem sentido se for para melhorar a vida das pessoas. Senão, vamos estar gerando negócios, lucros […]. Discutir, numa conferência de ciência e tecnologia, o desenvolvimento social é incluir nesse debate aqueles grupos sub-representados na ciência e tecnologia. Por exemplo: as mulheres, os negros, os indígenas e LGBTQIA+. Todos esses grupos que de alguma forma não estão nos espaços de poder definindo políticas.”

 

 

Ao todo, o GT4 apresentou 15 sugestões de estratégias para o enfrentamento dos problemas de cunho social, das quais nove foram aprovadas. São elas:

  • Fortalecimento da Ciência: por meio de diálogo e colaboração do Estado com agentes e organizações sociais e industriais;
  • Sistema integrado de monitoramento e avaliação para a CT&I: criação de um sistema que para acompanhar e avaliar políticas e diretrizes nessa área;
  • Elaboração de políticas públicas: que garantam acesso e conclusão ao ensino superior de populações sub-representadas;
  • Inclusão e Protagonismo em CTI: garantir e ampliar a participação de grupos socialmente excluídos;
  • Formação de recursos humanos: Promover a formação em todos os níveis de CTI, para reconhecer os diversos saberes;
  • Financiamento em CTI com impacto social: que os projetos financiados pela CTI, cumpram o critério de relevância social;
  • Fortalecimento e representatividade: considerar marcadores socioculturais e econômicos de desigualdades de raça, gênero, classe, orientação sexual, neurodivergentes, PCDs, populações quilombolas e campesinas na CTI.

Avaliando os resultados do encontro, a Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação da UTFPR e Coordenadora do Evento em Curitiba, Claudia Xavier, garante que o espaço proporciona a aproximação entre a sociedade e a comunidade científica, e viabiliza a tomada de decisões políticas.

 

“É uma oportunidade única, é uma consulta pública, ampla, aberta, para toda comunidade, poder ali expressar as nossas necessidades, anseios também, e expectativas das políticas públicas orientadas a ciência, tecnologia e inovação”. 

 

Mais lidas

Sobre a Agência Escola UFPR

A Agência Escola UFPR, a AE, é um projeto criado pelo Setor de Artes, Comunicação e Design (SACOD) para conectar ciência e sociedade. Desde 2018, possui uma equipe multidisciplinar de diversas áreas, cursos e programas que colocam em prática a divulgação científica. Para apresentar aos nossos públicos as pesquisas da UFPR, produzimos conteúdos em vários formatos, como matérias, reportagens, podcasts, audiovisuais, eventos e muito mais.

No Instagram

Esta mensagem de erro é visível apenas para administradores do WordPress

Erro: nenhum feed encontrado.

Vá para a página de configurações do Instagram Feed para criar um feed.

Curta!